segunda-feira, 7 de maio de 2007

Chave da alma




Sopra forte
O vento da saudade...
Polvilhando-me de resquícios de ti...
Refugio-me na alma
E tranco-lhe a porta...

Devoro,
Em lautos banquetes,
Doses maciças de desrecordações,
Diante das cortinas cerradas do sonho!
E bloqueio o pensamento!
Deito-me com as lembranças,
Pensando que estou só;
Aqueço-me com o desejo,
Pensando que não te quero;
Faço dormir um corpo faminto,
Pensando que está cansado...
Mas dentro da minha alma permanecem,
Teus aromas,
Teu sabor,
Teus beijos molhados...

Contraio os músculos do pensamento,
Desprendo-me das memórias,
E alieno-me no desejo e na loucura!
Dentro de mim estás tu,
Fogo que me consome...

Tenho que sair de mim...

Onde deixei a chave?!

6 comentários:

sonhadora disse...

Deixo-te uma flor do meu jardim.
Beijinhos embrulhados em abraços

Diário de um Anjo disse...

Chave?...

João Cordeiro disse...

Eu por vezes tb me esqueço das chaves ;-)


Beijinho sonhador e criativo.

Jorge Bicho disse...

G
está lindo de morrer, fiquei um bom bocado por aqui com as tuas letras.
adoro ler-te
beijos
JB

Vera disse...

Minha amiga, eu não sei onde deixaste a chave, mas sei que escreves divinamente!
O poema está maravilhoso!

Mil beijos

Sei que existes disse...

Nem sempre é bom encontrar as chaves...
Beijos