sexta-feira, 15 de junho de 2007

Porta da saudade


Perdi-te no início dos tempos,
Em fins recomeçados,
No brilho das estrelas adormecidas!
Prendi-me ao teu sorriso,
Aos meus sonhos,
Às minhas cumplicidades...

E na força poderosa das minhas tardes,
Fui cúmplice dos teus receios.
Envolvi-me na lava da nossa explosão
Em cores e odores de vulcão
Adormecido no meu ventre!
No silêncio da minha paixão,
Escondida num mundo outro,
Conjuguei todos os verbos,
Em tempos e modos desconhecidos
De entrega total!
Fecho o tempo,
Corro ao teu pensamento,
Desço ao meu,
Procuro a porta da Saudade...

Já a franqueei!

5 comentários:

Sei que existes disse...

Não desitas nunca!...
Beijos

poesiadaspiramides disse...

As portas não se devem fecar, umas nos lembram os erroas outras se abrem para a vida
**

poesiadaspiramides disse...

onde se le "fecar" é fechar
"erroas" é erros

desculpa

Menina do Rio disse...

Tentando encontrar a saída desta porta da saudade, perdi-me na beleza da imagem...

beijos

poetaeusou disse...

/
Aos meus sonhos,
,
poesiaMGD
,
passa pela
minha casa,
,
explico, porque te endossei ...
,
ji
/