terça-feira, 23 de setembro de 2008

solidão

Nas brumas do tempo,
Incontornável espaço,
Me desatino no desatino de nós!

Nas inconstâncias do vento,
Incontornável suspiro,
Me desafio no desafio da vida!

Nas buscas de sol,
Incontornável luz,
Me derreto no desfazer do frio em nós!

E na ausência de um mundo em ti,
A solidão de uma vida …

Choro-te a lonjura
E o tempo sem tempo…


http://www.escritartes.com/forum/index.php?referredby=3

3 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Parabéns cara amiga, terá sido um dos melhores poemas que li teus.
Muito bom.
Beijinhos.

despertando disse...

Gostei do poema.
Deixo-te um beijo meu.

Ps. actualiza o endereço do meu blog, pode ser? :)

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Amiga, adorei o poema...
Lindo!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha