quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Filme

Caminho,
Caminho sem destino certo...
Parada à porta do tempo,
Vislumbro os raios de sol
No Hemisfério da minha saudade...
A densa floresta,
Não mais densa que eu,
Mostra-me a escuridão!
Caminho por entre ramos e lianas,
Sopesando a tristeza,
Mas a minha noite é igual a meu dia!
Tiro um bilhete para o filme da vida
Mas desconheço a sala!
O filme começou e perdi o principal!
Estou atrasada...
Mais vale voltar amanhã...
Ver outro filme!

2 comentários:

Mário Margaride disse...

Às vezes há filmes, que até bom não os termos visto. Será melhor esperar pelo próximo filme. Talvez o enredo, seja melhor...
Beijinhos

Dionísio Dinis disse...

A um filme segue-se sempre outro filme, assim gostemos nós de descobrir a nossa desejada história na tela da vida!Muito bom poema, apesar de não ser dos que mais aprecio de entre todas as suas pérolas.