terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Ilusão de óptica




Este é o meu desejo dissimulado,
O meu devaneio inquietante,
A minha demagogia...

Em metáforas abusivas
E flocos de poesia soltos ao vento,
Perco-me por aí sem encontrar a tua rima.
Junto palavras e invento cores na minha alma,
Tento decifrar-te nas entrelinhas,
Mas apenas encontro,
Na carícia das letras,
Pedaços de ti,
Das tuas mãos macias,
Dos teus lábios quentes...

E frases apetecidas desenham-se
Em capítulos que o Infinito escreve.

Roço os meus olhos alucinados por cada uma.

E têm todas o mesmo traço e o mesmo gosto!
Numa ilusão de óptica,
Apenas dizem”amo-te muito”!...

10 comentários:

poetaeusou disse...

Ilusão de óptica ? não ...
É a Lua com sede de amor,
reflexando nas,
prateadas aguas,
o seu mitigar de ...
b)

João Cordeiro disse...

Minha amiga poetisa, obrigado pelos teus eróticos comentários;-)
É verdade essa a questão dos centros de saúde, sucede-me constantemente...
Eternamente jovens ;-)


Beijinhos

João Cordeiro disse...

A foto tem que coincidir com o tema e com o autor...
Muito obrigada pelo teu elogio.
Para a próxima que for ao Posto Cliníco, vou pensar no assunto ;-)

Beijinhos criativos e sonhadores

rui disse...

Olá Poesia,

São textos assim, como este, que fazem jus à poesia.
Palavras que transbordam de sentimentos e nos envolvem!
Está lindo.

Beijinho

António disse...

Olá, Maria!
Porque será que me lembrei da letra de um fado muito conhecida:
"Procuro, mas não te encontro...".
Bom poema!
Escreves poesia com qualidade.
(embora eu não seja um grande apreciador de poemas; prefiro a prosa)

Obrigado pelo teu comentário ao meu texto "A ruiva e o namorado".

Beijinhos
Beijinhos

Papoila disse...

Bonito poema com a lua por fundo. A noite...o luar inspira os enamorados. Esta lua com sede de infinito...
Beijo

Fallen Angel disse...

Transformas o « amo-te muito » num fogo-fátuo...

Mas repara: também pode queimar.

( Está lindo, como sempre...)

Diário de um Anjo disse...

Existem muitos belos poemas que se baseiam numa ilusão...

Mário Margaride disse...

Quantos de nós, não temos ilusões de óptica...

Beijinhos

Uma vida... disse...

Pois é. Os poetas escrevemos assim...com ilusões. Ainda bem que assim é.