sábado, 26 de maio de 2007

Não vieste




Penso em ti,
Mistério de memória pintada em minha alma,
E esqueço-me de mim,
Respiro-te no Sol que me aquece
E aspiro-te nos aromas da saudade!

Procuro-te por entre as árvores do nosso jardim encantado,
Deambulo entre ramos e lianas que me impedem o avanço,
Tropeço no emaranhado das raízes que se libertam da terra…

E o gemido das folhas secas esmagadas pelos meus pés
Soa-me ao teu nome!
O perfume das flores sussurra-me que virás…
E os fracos raios de Sol
Penetrando a sombra
Desenham no chão o meu caminho para ti!

Cheguei,
Esperei
E desesperei na ânsia de ti!
Despi-me do desgosto,
Vesti-me de ânsia e carícias
E ofereci-me às tuas mãos que não vieram.
Soltei o meu desejo
E fiz dos meus dedos os teus.
Escondida entre os ramos da paixão,
Fui onde tu não quiseste ir…

Amei-me apaixonadamente
Num momento que tu não viveste!

9 comentários:

António disse...

Querida Goreti!
Recebi a tua mensagem e vim ler-te.
Lindo!
Lindo!
Lindo, este poema!

Deixo-te aqui um beijo

Isa&Luis disse...

Olá,

Belo o teu poema, Um grito ao desejo de amar!

Beijinhos

Isa

Natalie Afonseca disse...

Líndoooooo!!!!!!
:))))))))))

Bom fim-de-semana
:)
Beijinhos

Sei que existes disse...

Mais uma vez gostei!
Beijocas

Escorpiana Explosiva disse...

muito bom poema.vim desejar bom fds

bom dia isabel disse...

Não desesperes. Ele voltará.Bonito poema!
Beijinhos

João Cordeiro disse...

Quem sou eu para comentar tanta beleze escrita em poema.

Parabéns querida amiga e tudo de bom.


Beijinho criativo e sonhador

Sleeping_Angel.69@Hotmail.com disse...

Depende de Nós

Depende de nós
Quem já foi ou ainda é criança
Que acredita ou tem esperança
Quem faz tudo pra um mundo melhor
Depende de nós
Que o circo esteja armado
Que o palhaço esteja engraçado
Que o riso esteja no ar
Sem que a gente precise sonhar

Que os ventos cantem nos galhos
Que as folhas bebam orvalhos
Que o sol descortine mais as manhãs

Depende de nós
Se este mundo ainda tem jeito
Apesar do que o homem tem feito

Alexandre disse...

Engraçado! Esta noite compôs umas palavras (poema?) que irei postar talvez amanhã e que fala «vieste?», ao contrário do teu «não vieste».

Está muito lindo o teu poema! Sublime! Inspirei-me nele para corrigir uma ou outra coisa no meu.

Beijinhos!!! Muitos!!!